Tratamentos

Venha ser mais feliz

Realidade Aumentada

Mescla o mundo real com o virtual. Com o equipamento Vein Viewer faz-se com que seja possível visualizar o sistema venoso superficial detalhadamente através da emissão de raios infravermelhos que captam a temperatura corporal. Como as veias são mais quentes do que pele , elas são localizadas facilmente pelo aparelho . As informações são analisadas pelo computador que as transformam em forma de imagens e projetam para sobre a pele do paciente.

  • EndoLaser

    Utilizamos para tratar os vasos mais calibrosos.

    Com esse equipamento conseguimos tratar as veias

    mais calibrosas utilizando somente anestesia local.

    Com a nova fibra circunferencial (360º) trouxe mais precisão ao método somado a mais conforto e menos hematomas. Na maioria dos casos o reestabelecimento das atividades rotineiras se faz em 3 dias.

  • Escleroterapia Com Espuma

    Há algum tempo somente a cirurgia de varizes era capaz de tratar a doença varicosa (veias calibrosas). Se você tem essas veias calibrosas e varizes de longa data, poderá beneficiar-se do tratamento com espuma.

    ste método, bastante criticado no começo, é agora

    bem difundido e aceito na comunidade científica,

    pois já demonstrou segurança e eficácia comparável

    a outros tratamentos (cirurgia e laser). Um fator importante a ser considerado é que este tratamento pode pigmentar (manchar) a pele em 10 a 30 % das vezes segundo alguns trabalhos, mas na maioria

    das vezes estas manchas desaparecem em 2 anos.

    O pedido de patente da microespuma foi solicitado por Juan Cabrera em 1994, mas só ele detinha a fórmula. Em 1999 veio a público o método de fabricação da espuma por Cabrera. No mesmo ano, o italiano Tessari divulga a técnica do Turbilhão que desde então é a mais usada em todo o mundo.

    Um Consenso Europeu que ocorreu por duas vezes em Tergensse, 2003 e 2006 na Alemanha, visou à padronização da escleroterapia com espuma. Esta padronização ocorreu sobre o resultado de estudos realizados em 184.000 pacientes. Após este consenso a escleroterapia com espuma deixou de ser um método experimental e o tratamento passou a ser realizado com segurança.

    Vamos explicar como é feita a espuma: a espuma é obtida quando unimos o medicamento polidocanol

    e ar na proporção de 1 ml de polidocanol para 4 ml de ar (mais comum) ou em outras proporções já estabelecidas. Depois misturamos em duas seringas com ajuda de um dispositivo que comunica uma seringa com a outra